fbpx

Cadeira para auditório: o que considerar na hora de escolher?

cadeira para auditório

Cadeiras para auditório são itens indispensáveis para pessoas que buscam conforto e a padronização desse ambiente. Atualmente, existem diversos modelos com opções de acabamento variados que são projetados para variados fins — sejam públicos, sejam privados —, abrangendo diversos tipos de eventos e que devem obedecer aos parâmetros de fabricação das normas vigentes.

Diante de tantas opções, para escolher uma boa cadeira para auditório é preciso considerar alguns aspectos importantes: resistência, manutenção, ocupação de espaço físico, acústica, segurança, design e conforto estão entre eles. Porém, para fazer a melhor escolha é importante definir a funcionalidade do espaço.

Se você não sabe muito bem o que deve avaliar na hora de escolher suas cadeiras para auditório, continue lendo este artigo! A seguir, veremos um pouco mais sobre os modelos encontrados no mercado e os tipos de materiais utilizados.

Quais são os principais modelos de cadeira para auditório?

Como dissemos, existem diversos tipos de cadeiras para auditório, que variam quanto ao tamanho, ao formato e ao revestimento, considerando a finalidade para a qual será destinada. Cadeiras usadas em teatros, por exemplo, serão diferentes das usadas em escolas, universidades, treinamentos, dentre outros eventos.

Um dos modelos mais comuns são as cadeiras com prancheta. Mais utilizadas em salas de treinamento voltadas para cursos e palestras, elas se destacam por sua prancheta escamoteável, que dá suporte para que o aluno ou espectador faça anotações durante o evento de forma confortável.

Há ainda modelos de cadeira para auditório com pranchetas “antipânico”, que consistem em um mecanismo desenvolvido para que o usuário possa se levantar da cadeira rapidamente em caso de emergência. A prancheta se dobra e retorna à posição inicial suavemente.

Existem também as cadeiras dobráveis, que otimizam a ocupação do espaço. Seu uso é mais indicado em recintos para apresentações rápidas, além de eventos com grande movimentação do público e que precisam ser desmontados rapidamente.

Pensando na acessibilidade e na alta durabilidade, temos as poltronas Plus, consideradas as mais confortáveis. Esse modelo leva o conceito ergonômico de uma poltrona de sala de estar e costuma ser destinado a auditórios cujos eventos duram períodos mais longos. Considere também a possibilidade de numeração de fileiras e assentos, para facilitar a localização das pessoas no ambiente.

O que deve ser observado na hora da escolha?

Em primeiro lugar, é importante considerar a finalidade para qual essa cadeira será utilizada, para então definir o tipo mais adequado. Em relação ao conforto e à ergonomia, é preciso considerar que:

  • o assento deve ter uma superfície estável;
  • o assento deve ser confortável e amenizar a pressão exercida na região das coxas;
  • o encosto precisa ser alto o suficiente para acomodar as costas, porém, sua altura não deve atrapalhar a visão do espectador da fileira de trás;
  • o ideal é que a cadeira tenha apoio em formato anatômico para os braços.

quanto à segurança e à resistência da cadeira, é necessário observar:

  • espumas que sejam antichamas;
  • revestimento que não propague chamas;
  • estruturas metálicas de alta resistência;
  • capas de encosto e assento injetados.

Além de tudo isso, não se esqueça de avaliar também outros fatores importantes quanto ao fornecedor dessas cadeiras, como:

  • A empresa já desenvolveu projetos de auditórios?
  • Ela fornece garantia dos seus produtos?
  • Oferece um estudo de layout sem custos para os seus clientes?
  • Se preocupa com as normas técnicas vigentes?
  • Seus produtos têm ergonomia e funcionalidade?

Quais materiais têm maior durabilidade?

De fato, cadeiras para auditório precisam ser produzidas de forma que ofereçam uma resistência elevada. O material mais apropriado, portanto, para garantir conforto e resistência ao mesmo tempo, é a espuma. Mas a exigência não para por aqui.

Elas devem ser confeccionadas com material corta-fogo e apresentar um laudo a respeito da sua resistência e acústica — até para reduzir os gastos com isolamento acústico nas salas de auditórios.

O revestimento deve ser de qualidade, garantindo uso prolongado e também ser termicamente agradável. Tem função de auxiliar no controle da propagação de chamas e também pode influenciar a eficiência acústica do ambiente.

A durabilidade é outro fator muito importante, especialmente em auditórios que são usados frequentemente. Se o material usado nas cadeiras for de baixa qualidade, não levará muito tempo para que elas comecem a ranger ao menor movimento das pessoas, ou mesmo a ter estofados desconfortáveis.

Quais são mais fáceis de limpar?

Em geral, os materiais mais fáceis de limpar são aqueles que não absorvem água ou sujeira com facilidade. Alguns revestimentos das espumas já têm essas características e ainda passam por um tratamento impermeabilizante, garantindo sua durabilidade.

O que se deve considerar quanto ao espaçamento e à visibilidade no auditório?

É necessário que as cadeiras sejam posicionadas em fileiras com um espaçamento suficiente para que não interfiram na segurança dos que estão na sala. O ideal é garantir o máximo de fluidez possível para as pessoas se movimentarem, possibilitando o tráfego livre em casos de emergência.

Além disso, as cadeiras devem estar dispostas de modo a possibilitar uma boa visibilidade do palco ou tela principal do auditório. A recomendação é distanciar em um metro o rosto do espectador do encosto a sua frente.

Devem ser observados também os espaços e assentos para acessibilidade. Segundo o decreto 9.404/18, devem ser reservados para edificações com lotação máxima de até mil lugares:

  • 2% de espaços para pessoas em cadeira de rodas;
  • 2% de assentos para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

Já para edificações com capacidade de lotação acima de mil lugares:

  • vinte espaços para pessoas em cadeira de rodas mais 1% do que exceder mil lugares;
  • vinte assentos para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida mais 1% do que exceder mil lugares.

Os lugares devem ser localizados garantindo a acomodação de um acompanhante ao lado da pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida e ter rotas de fuga e saídas de emergência acessíveis. Além disso, para atender também os deficientes auditivos, devem possibilitar uma boa visualização do intérprete de libras.

Existe alguma norma técnica para fabricação desse tipo de cadeira?

A norma vigente é a NBR 15878:2011, aprovada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que regulamenta os assentos para espectadores que são fixados ao piso e/ou paredes de forma permanente, seja na forma de bancos, seja na forma de cadeiras simples.

Trata das características físicas e dimensionais desses móveis, além da estabilidade, da funcionalidade e da durabilidade dos materiais de confecção.

Quais são as principais etapas do projeto de cadeiras?

Já exploramos bastante as funcionalidades que as cadeiras de auditório devem apresentar. Agora, é o momento de entender como os arquitetos e os designers de ambientes unem todos esses elementos para criar um projeto.

É importante que você saiba como eles são pensados e elaborados para indicar as melhores peças e transmitir segurança de que eles estão comprando com alguém que entende do assunto.

Em alguns casos, há pessoas que chegam sem nenhum planejamento e contam com a sua expertise para tomar a decisão. Então, dominar a técnica de planejamento de mobiliário para espaços coletivos demonstrará autoridade. Mas é importante sempre orientar que o cliente deve ter o auxílio de um profissional do ramo. Afinal, a escolha de cadeiras para auditório apresenta algumas especificidades e é preciso que você saiba destacar os diferenciais de cada uma a fim de ajudar o cliente a atingir os objetivos dele.

Análise espacial

Ao contrário de muitos espaços, como as salas e as cabines, que formam ambientes retangulares, com todos os ângulos retos, muitos auditórios apresentam formatos menos convencionais.Têm formas irregulares, em que a parede de entrada apresenta uma área mais larga enquanto a oposta é menor. O piso também costuma ser inclinado. Essa inclinação pode ser feita por meio de degraus ou rampas. Nesse último caso, é preciso que a cadeira esteja adaptada para esse tipo de instalação, visto que os pés geralmente são feitos para pisos totalmente horizontais.

Porém, antes de selecionar as poltronas que serão usadas, é importante entender que tipo de atividade será realizada neste espaço – palestras, premiações, treinamentos, etc. Assim fica mais fácil de planejar o ambiente.

Estudar também a melhor disposição das poltronas é importante pois permite uma melhor eficiência acústica e garante que mesmo a pessoa que está lá no fundo ouça o que está sendo dito no palco ou nos alto-falantes da tela de projeção. Isso reflete na escolha do modelo e na disposição ideal das cadeiras. Nesse sentido, o encosto não pode ser muito alto e, se possível, é interessante escolher opções com o assento e o encosto rebatíveis para que as cadeiras vazias não atrapalhem a experiência de quem está atrás.

Além disso, é importante analisar o material das paredes e a predisposição do ambiente à formação de ecos. Se não houver materiais, como a madeira e os isolantes acústicos, é provável que eles ocorram com mais facilidade. Nesse sentido, escolher cadeiras com espumas de alta qualidade pode ajudar a reduzir esse fenômeno, pois abafam o som e impedem sua propagação na sala.

Estudo do layout

O layout é a disposição dos itens em um determinado espaço. Em nosso caso, das cadeiras no espaço de um auditório. Fazer um estudo dele é importante, pois:

  • permite que a disposição das cadeiras de uma fileira não atrapalhem a visualização do palco das pessoas que estão atrás;
  • o espaçamento adequado facilita o trânsito e, portanto, a experiência do usuário;
  • otimiza a acústica do ambiente, podendo minimizar eventuais falhas do espaço;
  • deixa o ambiente esteticamente mais agradável.

Nesse sentido, devem ser avaliados critérios como:

  • distância entre as cadeiras;
  • quantidade e largura dos corredores de passagem;
  • distância das fileiras em relação ao palco;
  • vãos entre as fileiras e as paredes para facilitar a saída, especialmente em situações de emergência, como incêndios.
  • acessibilidade – inclua rampas e considere um espaço mínimo entre uma fileira e outra. Escolha cadeiras com assentos mais largos para acomodar todas as pessoas de maneira confortável, sem nenhum constrangimento.

Muitas vezes, o melhor layout para um ambiente pode não ser de fileiras lineares, mas em arcos. É preciso que a cadeira escolhida permita essa disposição.

É necessário que as cadeiras sejam posicionadas em fileiras com um espaçamento suficiente para que não interfiram na segurança dos que estão na sala. O ideal é garantir o máximo de fluidez possível para as pessoas se movimentarem, possibilitando o tráfego livre em casos de emergência.

Além disso, as cadeiras devem estar dispostas de modo a possibilitar uma boa visibilidade do palco ou tela principal do auditório. A recomendação é distanciar em um metro o rosto do espectador do encosto à sua frente.

Portanto, é importante escolher um bom fornecedor de cadeiras, que permita a personalização das quantidades de cadeiras em cada fileira em vez de oferecer apenas kits padronizados. Desse modo, é possível criar disposições, corredores e espaços vazios que tragam o melhor layout para o objetivo daquele projeto e as características arquitetônicas da sala.

Escolha dos principais conceitos

Depois de analisar os critérios mais estruturais, é possível pensar no conceito da sala — na mensagem que ela irá transmitir e na experiência que ela irá proporcionar aos usuários. Aqui, ainda não são feitas escolhas mais objetivas, como as cores e o design das cadeiras.

Quando um cliente chegar na loja, é importante entender o conceito desejado para poder oferecer a melhor alternativa ao projeto. Dessa forma fica mais fácil de fechar a venda e conquistar um cliente, mostrando para ele como o seu produto vai transmitir a mensagem que ele tanto anseia.

A seguir, estão alguns exemplos de valores e princípios que podem estar presentes em um projeto de design de interior para auditórios:

  • sobriedade, seriedade e tradição — com isso, cores escuras e materiais consagrados devem ser priorizados. A forma também deve ser bem clássica, com ângulos retos e simétricos;
  • inovação, criatividade e inventividade — aqui, as cores devem sair do usual, podendo escolher opções mais vivas. O design também pode ser diferenciado com curvas e ângulos oblíquos;
  • aconchego, conforto e calma — aqui, as cores devem ser claras e as formas das peças, arredondadas. Além disso, o estofado ganha o protagonismo da cadeira. A pessoa deve olhar e se sentir “abraçada” por ela.

Definição da identidade visual

Por fim, é essencial definir a configuração das cadeiras, que deve se harmonizar cor e estilo com o resto do ambiente e se adequar aos conceitos que falamos acima. Nesse momento, bate-se o martelo a respeito de elementos possíveis de serem personalizados como:

  • cor do revestimento, acabamento e das peças estruturais;
  • forma do encosto;
  • estilo dos pés, entre outras.

Todos eles devem estar em sintonia com os elementos do ambiente, como a pintura das paredes, o material do piso, a estrutura do palco, entre outros.

Além disso, é importante que a identidade visual do auditório reflita os elementos da marca da empresa. Isso ajuda a fortalecer a mensagem global que ela deseja transmitir aos clientes, colaboradores e parceiros.

Escolha do modelo ideal

Em primeiro lugar, é importante considerar a finalidade e o escopo do projeto do cliente, que inclui todos os pontos que falamos acima. Em relação ao conforto e à ergonomia, devem:

  • ter superfície estável;
  • ser confortáveis e amenizar a pressão exercida nas coxas;
  • ter o encosto alto o suficiente para acomodar as costas sem atrapalhar a fileira de trás.

Contando com uma empresa de confiança e que garanta a qualidade dos seus produtos, é possível atender a todos os requisitos mínimos da norma. Esse é o caso da Frisokar, que trabalha comprometida com os seus clientes e investe para trazer segurança, tecnologia e conforto aos seus produtos. Inclusive, a Frisokar pode ajudar você na escolha da sua cadeira para auditório!

Se você gostou desta leitura e quiser conhecer os nossos serviços, entre em contato conosco. Teremos prazer em auxiliá-lo com tudo o que você precisa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *